universo

quarta-feira, 6 de novembro de 2013


Mortes por câncer caem nas Américas, inclusive no Brasil, diz OPS
Estudo é da Organização Pan-Americna da Saúde (OPS).
Ainda assim, o câncer se mantém como a 2ª causa de morte no continente.



A mortalidade por todos os tipos de câncer está caindo em nove países das Américas, incluindo Brasil, Estados Unidos e Venezuela, informou a Organização Pan-Americana da Saúde (OPS) nesta terça-feira (5).
As mortes pela doença se reduziram no Brasil, Argentina, Canadá, Chile, Estados Unidos, México, Nicarágua, Paraguai e Venezuela, destacou a OPS, em um comunicado sobre o relatório "Câncer nas Américas: perfis de país 2013".
Ainda assim, o câncer se mantém como a segunda causa de morte no continente - atrás das doenças cardiovasculares - com 1,3 milhão de óbitos ao ano, acrescentou a OPS, escritório regional da Organização Mundial de Saúde (OMS), com sede em Washington.

Apresentado esta semana no V Congresso Internacional de Controle de Câncer em Lima, com base em dados fornecidos à OPS por seus países-membros, o relatório descreve um panorama heterogêneo.

Metade das mortes por câncer na região acontece em países da América Latina e do Caribe. Entre esses países, estão as taxas mais altas (Trinidad y Tobago, Cuba e Argentina), mas também as mais baixas (México, Nicarágua e El Salvador).

Em geral, o câncer de próstata é a modalidade que mais mata homens, e o câncer de mama, o que mais atinge as mulheres. Na América Central e na região andina, porém, o câncer de estômago é o que mais afeta ambos os sexos. Já nos EUA e no Canadá, a principal causa de morte por câncer é o de pulmão.

Devido às taxas elevadas de câncer de próstata e de pulmão, a doença costuma matar mais os homens, à exceção de El Salvador e Nicarágua, onde são numerosos os casos de câncer de colo uterino e de estômago nas mulheres, segundo a OPS.

"O alto número de mortes por câncer de mama e colo de útero na América Latina e no Caribe é muito preocupante, sobretudo, porque o câncer cérvico-uterino é amplamente passível de prevenção, e o câncer de mama pode ser detectado no estágio inicial e ser tratado de maneira bem-sucedida", disse a assessora em Prevenção e Controle de Câncer da OPS/OMS, Silvana Luciani, citada no documento.

O informe da OPS revela ainda deficiências na atenção pública da doença, à exceção de Canadá e EUA.

Menos de um terço dos países cumpre os padrões internacionais mínimos de equipamentos de radioterapia e, na grande maioria, o acesso aos medicamentos, revelou o estudo


fonte:http://g1.globo.com/ciencia-e-saude/noticia/2013/11/mortes-por-cancer-caem-nas-americas-inclusive-no-brasil-diz-ops.html